Coleção Na Ponta da Língua


A idéia desta coleção nasceu de minha experiência em sala de aula, como professora do Ensino Fundamental, e em meu consultório, onde atendo crianças com dificuldades de aprendizado.
Em anos de trabalho clínico, tenho observado que boa parte das crianças manifesta um “sintoma” comum, que surge ao longo do processo de aquisição das habilidades de leitura e escrita: a dificuldade em discernir de forma correta determinados pares de letras.
Especificamente, as consoantes surdas e sonoras F e VT e DP e BC e G.

Por que essa dificuldade particular surge no período da alfabetização? Porque aprender a ler é associar corretamente os fonemas – que são as articulações dos órgãos fonadores – aos grafemas – que são representações visuais dos sons das letras. E essas duplas de letras têm sons parecidos, e os movimentos do aparelho fonador necessários para sua elocução são semelhantes. Na verdade, quase todas as crianças conseguem transpor essa barreira com o passar do tempo, praticando a leitura e a redação. Um pequeno número delas, por outro lado, requer ajuda especializada. Em todos os casos, porém, se essas dificuldades não são superadas, tendem a se manifestar até as etapas mais avançadas da vida escolar.

Acredito que a coleção Na Ponta da Língua será de grande utilidade para o professor da última etapa do Ensino Infantil e de todas as séries do Ensino Fundamental, já que propiciam o exercício lúdico da leitura e da escrita das palavras em que esses pares de letras “problemáticos” aparecem, assim como ampliam o vocabulário e enriquecem a imaginação através das aventuras das personagens.
Proponho, neste encarte, algumas formas de aproveitamento das histórias em sala de aula. Não são as únicas, é claro; certamente, a vivência de cada professor poderá levar a novas e criativas maneiras de aproveitá-las, tornando o aprendizado uma experiência gratificante.


ANÁLISE DO TEXTO

1. Conversando sobre o livro

Nessa atividade, o professor propõe questões que dão oportunidade para que as crianças exercitem sua imaginação e possam manifestar seus sentimentos e opiniões com relação ao texto lido. As perguntas deverão explorar a trama da história, o enredo, a opinião das crianças sobre o comportamento das personagens, etc.

Exemplo:

• “A vaquinha Fifa adorava viajar, queria conhecer o mundo. E você, que lugar gostaria de conhecer?”

• “Você daria um outro final para a história? Qual?”


2. Sensibilização

Em primeiro lugar, sugerimos atividades que usam diretamente o conteúdo das narrações:

• Dramatização das historinhas.
• Mímica das palavras ou das personagens, escolhidas em grupos pelas crianças.
• Jogral de diálogos.
• Teatro de fantoches.
• A partir das ilustrações, propor que as crianças façam também seus desenhos sobre as histórias.

3. Integrando outros temas

Os livros da coleção Na Ponta da Língua podem servir também como material de apoio para as crianças estudarem outras matérias.

Exemplo:

• Fifa, a vaquinha fantástica: zona rural e urbana; animais vegetarianos e carnívoros, alimentação, vegetação…
• A abelha Belinha: habitats; insetos; comunidades; profissões…
• O crocodilo Tenebroso: estações do ano; cadeia alimentar; habitats…
• Recanto Colorido: vida no campo; relações entre pais e filhos; cuidados com animais; a vida no circo…


BRINCANDO COM AS PALAVRAS

1. Desafio

Esse exercício pode ser feito na forma de uma brincadeira. O professor pode dividir a turma em dois grupos, que se enfileiram de frente um para o outro. Dado um tema, o primeiro da fila responde, usando uma palavra do livro e, em seguida, a vez passa para a criança à sua frente, do outro grupo. Isso prossegue até que alguém não consiga dar uma resposta: esse grupo perde. A brincadeira continua com uma outra pergunta qualquer, até que o professor julgue adequado.

Exemplo:

Nomes de frutas que tenham a tetra F; nomes de objetos com a letra V, etc.

2. Bingo ortográfico

Como exercício específico de escrita, o professor pode escolher 30 palavras do livro e escrevê-las no quadro-negro. Cada criança escolhe dez dentre essas palavras e as anota em seu caderno ou numa cartela. O professor sorteia, então, uma palavra de cada vez, até que uma das crianças preencha sua cartela – e vença.

3. Stop

Em dupla ou em grupo, os alunos usarão as palavras do livro para preencher as tabelas do jogo Stop trabalhando, ao mesmo tempo, a gramática. Os temas podem ser: animais, nomes de pessoas, substantivos comuns, etc.

Exemplo:

4. Leitura em voz alta

O professor pode promover a leitura da história em voz alta; escolhe algumas frases do livro e propõe um desafio em dupla. Cada um tem alguns minutos para se preparar e, depois disso, vence quem consegue ler a frase mais rapidamente e sem cometer erros.

5. Formação de frases

O professor pedirá a cada aluno que escolha duas palavras do livro trabalhado. Os alunos deverão formar, a seguir, uma frase sobre a história do livro, utilizando essas palavras. Depois, deverão trocar as frases entre si e interpretá-las por meio de desenhos.

6. Ditado

O professor ditará perguntas elaboradas a partir da observação das ilustrações. Os alunos, depois de escrever as perguntas ditadas, responderão de memória e só então poderão confrontar suas respostas no livro.

Exemplo:

Descreva o bule que o vovô Flávio usa para colocar o café da Fifa.